1/3

PLANO AMBIENTAL E DE RECUPERAÇÃO PAISAGÍSTICA DA PEDREIRA DO DUNDO

A paisagem é caracterizada pela sua capacidade de resiliência e pela sua incessante procura por um equilíbrio, como tal, reveste-se de um dinamismo próprio. É natural que o Homem, enquanto elemento da paisagem, a transforme e se identifique afetivamente com determinadas paisagens. É também natural que a marca humana permaneça impressa na paisagem, sendo, porém, essencial que se assegurem todos os mecanismos característicos da paisagem (circulação de fluídos, preservação de ecossistemas etc.).

O conceito que cumprirá a recuperação desta parcela de paisagem incidirá nos seguintes aspetos:

  • assegurar a drenagem de águas pluviais para as linhas de água próximas, evitando-se, desta forma, a criação de bacias de retenção de águas eutrofizadas;

  • reduzir, sempre que possível, a altura dos degraus criados durante a fase de extração;

  • minimizar a inclinação dos taludes, evitando situações de derrocada de rochas e/ou de ravinamento de solos;

  • assegurar as condições ideais para que ocorra um repovoamento espontâneo com espécies florísticas autóctones que contribuirão para a fixação dos solos, reduzindo, consequentemente, a sua perda pela ação erosiva do vento.

Saliente-se que o vale do Rio Luachimo está classificado internacionalmente como IBA – Área Importante para as Aves (Important Bird Area), tendo-lhe sido atribuída a codificação IBA AO014. É, portanto, de sobeja importância que se preserve toda a biodiversidade característica desta zona e que assegura a sobrevivência da fauna local, nomeadamente da avifauna.

A modelação do terreno que se propõe foi desenvolvida considerando os seguintes objetivos:

  • assegurar a drenagem superficial das águas pluviais;

  • minimizar o impacte visual, mantendo uma aproximação à morfologia natural do terreno;

  • obter uma topografia que se coadune com a paisagem envolvente, nomeadamente através da redução da altura dos degraus e da criação de plataformas que acompanham a morfologia natural do terreno.

Propõe-se que a zona adstrita à extracção de inertes se formalize através de terraços. Cada um desses terraços assumirá diferentes níveis altimétricos, permitindo a sua natural integração estética na paisagem envolvente. Estes terraços cumprem, durante a fase de extracção, a função de circulação viária e posteriormente definem uma estrutura de acessibilidades que permite a monitorização do comportamento regenerativo da paisagem.

A recuperação da galeria ripícola, considerando a fragilidade destes habitats, exige a implementação de medidas específicas.

Nas margens dos cursos de água a erosão hídrica é um aspecto que deve ser tomado em consideração uma vez que técnicas que prevejam somente a plantação de espécies vegetais poderá resultar no seu arrastamento pelas correntes hídricas.

Como tal deve proceder-se a um projeto de recuperação específico para esta área que preveja a estabilização dos taludes e a redução da velocidade de escorrência, reduzindo, assim, a probabilidade de arrastamento do material vegetal plantado.

Data | 2015

Área | 10 ha

Localização | Dundo, Províncias da Lunda Norte, Angola

Fase | Projeto de Execução

Dono da Obra / Cliente | ZAGOPE – Grupo Andrade gutierrez

#arquitetura paisagista #recuperação / requalificação de paisagens degradadas

  • Wix Facebook page
  • LinkedIn Social Icon

© 2019 INNER ROOTS, Lda | Todos os direitos reservados